Comitiva alemã conhece estrutura e ações do Centro Integrado de Monitoramento Ambiental

Uma comitiva técnica da Embaixada da Alemanha no Brasil desembarcou em Belém, nesta terça-feira (18), para conhecer o Centro Integrado de Monitoramento Ambiental do Pará (Cimam), inaugurado pelo Governo do Pará, em março. As autoridades foram recebidas pelo secretário de Meio Ambiente do Pará, Luiz Fernandes Rocha, e técnicos da Secretaria de Meio Ambiente e […]

Uma comitiva técnica da Embaixada da Alemanha (foto) no Brasil desembarcou em Belém, nesta terça-feira (18), para conhecer o Centro Integrado de Monitoramento Ambiental do Pará (Cimam), inaugurado pelo Governo do Pará, em março. As autoridades foram recebidas pelo secretário de Meio Ambiente do Pará, Luiz Fernandes Rocha (4º esq/dir) , e técnicos da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), e o secretário Extraordinário do Programa Municípios Verdes (PMV), Justiniano Netto (6º esq/dir).
FOTO: ASCOM / SEMAS
DATA: 18.04.2017
BELÉM – PARÁ

Uma comitiva técnica da Embaixada da Alemanha no Brasil desembarcou em Belém, nesta terça-feira (18), para conhecer o Centro Integrado de Monitoramento Ambiental do Pará (Cimam), inaugurado pelo Governo do Pará, em março. As autoridades foram recebidas pelo secretário de Meio Ambiente do Pará, Luiz Fernandes Rocha, e técnicos da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), e o secretário Extraordinário do Programa Municípios Verdes (PMV), Justiniano Netto.

A comitiva visitou a estrutura do Cimam para conhecer a tecnologia que está sendo utilizada e assistiu uma apresentação sobre as ações desenvolvidas de políticas públicas e principais ferramentas de gestão ambiental do Estado, como o Sisflora 2.0 (Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais), Cadastro Ambiental Rural (CAR), o Programa de Regularização Ambiental (PRA), a Lista do Desmatamento Ilegal (LDI), Programa de Redução de Emissão de Gases do Efeito Estufa Provenientes do Desmatamento e da Degradação Florestal (Pregeed) e o Portal da Transparência – website onde todas as informações sobre ações, dispositivos e dados gerados por sistemas do Estado estão disponíveis para consulta pública.

O secretário Luiz Fernandes enfatizou o pioneirismo do Pará com a criação do Cimam e destacou as ações do Estado dentro da Rede de Inteligência da Amazônia Legal. “O Pará é pioneiro em uma série de ações e implementação de ferramentas que ajudaram a otimizar a gestão ambiental. Recentemente, fomos eleitos para presidir o Fórum de Secretários de Meio Ambiente da Amazônia Legal e estamos promovendo uma série de reuniões, para trocas de experiências, que tem sido extremamente importantes para integrar as forças dos estados no combate aos crimes ambientais”, disse.

“O Centro foi criado com o propósito de desenvolver novas metodologias para produção de conhecimentos na esfera ambiental. Uma das ferramentas utilizadas é um sistema automatizado de acompanhamento e controle do desmatamento, que utiliza imagens de satélite com precisão de até três metros da área monitorada. Essa tecnologia serve de insumo para o trabalho de monitoramento, que pode ser realizado em tempo real, possibilitando uma ação preventiva do Estado quanto aos crimes ambientais”, destacou o secretário adjunto de Gestão e Regularidade Ambiental da Semas, Thales Belo.

As operações de combate a crimes ambientais desenvolvidas pela Assessoria de Inteligência e Segurança Corporativa da Semas, em ações integradas entre a secretaria e outros órgãos da esfera pública, também foram apresentadas aos membros da comitiva. De 2016 até este primeiro trimestre de 2017 foram apreendidos 35.809,7494 metros cúbicos (m³) de madeira em tora e 5,593,808 m³ de madeira serrada, além de 122 maquinários – resultado de operações in loco.

Para Justiniano Netto, secretário extraordinário do Programa Municípios Verdes, hoje, os crimes ambientais são muito organizados e o grande desafio do Estado é desarticular essas organizações. “A resposta está em ferramentas como a Lista do Desmatamento Ilegal, as estratégias de inteligência e operações em campo. Antes, esse combate ostensivo ao desmatamento através da fiscalização era feito basicamente pelas forças federais, agora os estados estão entrando em campo, isso é uma vitória. É importante mostrar que começamos um protagonismo maior na área de monitoramento e fiscalização ambiental, e estamos crescendo exponencialmente a cada ano”, assegurou.

O titular da Semas, Luiz Fernandes, enfatizou que o Estado tem feito a sua parte para desenvolver uma gestão ambiental cada dia mais aprimorada e agradeceu a visita e o apoio da comitiva alemã. “As ações promovidas são integradas com outros órgãos parceiros, como é o caso da Secretaria de Segurança Pública, que nos fornece acompanhamento policial para desencadeamento da ação. Estamos conseguindo um resultado muito positivo no âmbito da gestão ambiental no Pará e estamos felizes por demonstrar nosso trabalho a vocês”, ponderou.

O embaixador da Alemanha no Brasil, Dr. Georg Witschel, também agradeceu a recepção e afirmou que foi possível ter uma visão do desafio enorme que é fazer a gestão ambiental do Pará e da Amazônia Legal como um todo. “É extremamente interessante pra nós conhecermos o trabalho, porque estamos no mesmo barco. Esse bioma é parte fundamental do nosso planeta e precisamos cuidar, isso é uma tarefa conjunta. Vamos continuar ajudando através do Banco de Desenvolvimento Alemão (KFW) para melhorar cada vez mais a fiscalização e o monitoramento ambiental, buscando a garantia do desenvolvimento sustentável”, se disponibilizou o embaixador.

Investimento – A Alemanha, através do KFW, é um dos principais países investidores do Fundo Amazônia – programa que tem por finalidade captar doações para investimentos não reembolsáveis em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento, e de promoção da conservação e do uso sustentável das florestas no bioma Amazônico.

Por Naiana Gaby Ferraz Monteiro Santos