Desmatamento na Amazônia aumenta quase 300% no último ano

O desmatamento na Amazônia aumentou 290% em setembro de 2014, em relação ao mesmo período de 2013. Em setembro do ano passado foram desmatados 103 quilômetros quadrados. Um ano depois, a área desmatada é de 401,7 quilômetros quadrados. Na comparação bimestral – agosto e setembro – o aumento foi de 191%. Atualmente são 838 quilômetros quadrados […]

O desmatamento na Amazônia aumentou 290% em setembro de 2014, em relação ao mesmo período de 2013. Em setembro do ano passado foram desmatados 103 quilômetros quadrados. Um ano depois, a área desmatada é de 401,7 quilômetros quadrados.

Na comparação bimestral – agosto e setembro – o aumento foi de 191%. Atualmente são 838 quilômetros quadrados de desmatamento. Os dados são do Imazon -Instituto do Homem e Meio Ambiente.

Rondônia lidera o ranking bimestral. Os meses de agosto e setembro tiveram 260 quilômetros quadrados de desmatamento no estado. Em segundo lugar vem Mato Grosso, com 222 quilômetros quadrados, e Pará, com 152.

Segundo o relatório do Imazon o destaque é o desmatamento elevado nas Unidades de Conservação. O relatório apresenta 73 quilômetros quadrados de desmatamento nestas áreas. No mesmo período de 2013 foram 28 quilômetros quadrados. A campeã é a Flona do Jamanxim, com 21 quilômetros quadrados desmatados. Fazendeiros e ocupantes ilegais reivindicam uma redução de até metade do território para transformar em zona agropecuária.

O aumento das áreas degradas é outra preocupação. Elas são um alerta para os desmatamentos futuros porque são áreas em vulnerabilidade. São locais que já sofrem o processo da extração ilegal de madeira. Ao todo, a área degradada é de 624 quilômetros quadrados. Em 2013, as florestas degradadas somaram 16 quilômetros quadrados.

O levantamento do Imazon acontece de forma paralela ao divulgado pelo Governo Federal, por meio do Inpe – Instituto de Pesquisas Espaciais. A principal diferença é que o Inpe divulga os dados de desmatamento real e em processo de desmatamento de forma conjunta. Já o instituto separa os dois dados. Entretanto, as diferenças de métodos não são significantes.

Os dados mais recentes do Inpe se referem aos meses de junho e julho. Segundo divulgado, eram 1.264 quilômetros quadrados de áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia. O Governo Federal ainda não divulgou dados referentes ao último bimestre.

O relatório completo do Imazon encontra-se no site www.imazon.org.br.